• Carla Kirilos

VOCÊ CRÊ?


Estamos vivendo um tempo em que as pessoas estão desistindo com muita facilidade de lutar pelo que realmente importa.


Desistir é abrir mão e descartar. Com ou sem motivos plausíveis, coloca-se um ponto final. Desistir é jogar tudo para o alto, é rasgar os planos. Desistir é seguir em frente sem olhar para trás. Desistir é escolher caminhar para outro lado. Desistir é uma escolha incerta; é se afastar dos reais sentimentos. Desistir é lavar as mãos. Desistir é partir. E assim, muitos vão deixando para lá os sonhos, o casamento, a família, a faculdade, o trabalho e até mesmo a fé.


Porém, o que precisamos ter como certeza é que nós podemos até desistir dos propósitos que Deus desenhou para nossa jornada, mas a verdade é que, independente das circunstâncias, Deus jamais desistirá de nós. Mesmo quando nos afastamos da Sua presença, Ele sempre agirá para não abrir mão de cada pessoa.


Compreendo que muitas vezes é difícil compreender esta verdade. É comum ouvirmos as pessoas se perguntando o porquê de Deus estar tão longe delas. Começam a murmurar e questionar a razão de Ele não se manifestar nos seus momentos de dificuldades e de necessidades, e perguntam-se por que justamente nestas horas Ele parece estar ausente.


Entretanto, a pergunta que realmente precisa ser feita é: Você está procurando Deus? Acredita que Ele pode mesmo ser o seu ajudador?


Não importa o quanto achamos que governamos bem a nossa vida, a verdade é que precisamos de ajuda em tudo. Em geral, demoramos muito para perceber quanta ajuda precisamos. Muitas vezes, vamos caminhando relativamente tranquilos sozinhos até que surgem os problemas. Eles podem vir na forma de um desemprego, de um casamento rompido, na perda de um ente querido, de uma doença inesperada, ou mesmo, de um vírus que chega sorrateiro, vindo do outro lado do mundo, mudando toda a nossa rotina de vida. E daí, diante do inesperado, fazer o quê? Desistir? Entregar os pontos? Ou, humildemente, reconhecer que precisamos pedir um “help”?


Para muitas pessoas, no mundo competitivo que vivemos atualmente, pedir ajuda é uma provação. É comum o pensamento de que se pedirmos auxílio, estaremos condenados a retribuir esse favor. Em outros casos, há os que tiveram experiências ruins quando necessitaram pedir um apoio: não encontraram pessoas que pudessem contribuir no momento oportuno ou receberam uma ajuda que não era a que esperavam, sentiram-se frustradas e, por isto, preferem mesmo caminhar sozinhas ou simplesmente deixar para lá. Desistir. E, por causa destas experiências negativas, esquecem até de falar com Deus.


No entanto, o que desejo trazer para reflexão hoje é o contrário das crenças citadas acima. Aprender a pedir ajuda quando necessário não tem nada a ver com favor, com fracasso, ou com inferioridade. É reconhecer nossas próprias limitações, ter humildade, coragem e superar os preconceitos que nos fazem desconfiar das pessoas e também de Deus. O apoio do outro nos fortalece, aumenta nossas chances de vencer os obstáculos e alcançar nossos objetivos. Mas a ajuda de Deus está à distância de uma oração. Nunca a utilize como seu último recurso.


Agora, pergunte a si mesmo: Como tenho enfrentado minhas lutas cotidianas? Luto sozinho, me negando a pedir ajuda, simplesmente “jogando a toalha”, ou, reconhecendo minhas fragilidades, levanto as mãos para o alto e, como o salmista declara: "...De onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra.” (Salmos 121:1-2)


Outro texto bíblico que gosto muito afirma: “Aproximem-se de Deus, e Ele se aproximará de você!” (Tiago 4:8)


Se você está passando por uma situação difícil e tem pensado continuamente em “chutar o pau da barraca”, gostaria muito de desafiá-la a parar um minuto e, à sua maneira, com suas próprias palavras, falar com Deus sobre seus anseios, medos e dúvidas. Diga a Ele que gostaria de sentir a presença DEle em sua vida e de ver e viver todas as maravilhas que Ele tem guardadas para você.


Você crê que Ele irá responder?


Destaques
Arquivos
Siga-me