• Flávia Carvalho

SEM CONTROLE


Palavra que não quero mais usar é essa tal de controlar

E com isso deixar passar a sensação de que preciso certas coisas dominar.

Parar de tentar justificar quando as situações parecerem estar fora do lugar

Largar essa vontade que dá de fazer tudo em um certo espaço se enquadrar.


Segurar só me traz tensão. Prender é um desgaste pro coração.

Não é mais difícil caminhar quando tanto tenho que carregar?

Mais fácil é me esvaziar e a cada dia me abastecer do suficiente para bem viver.


Só assim haverá espaço para me abrir, buscar e escolher.

Sobrará também fôlego para arriscar, novos caminhos percorrer.

Surpreendente força aparecerá para em outras metas me lançar.

E, ao pra frente olhar, me encantar com tudo o que puder imaginar.


Sem controle vou ficar, porque de cada momento quero desfrutar.

Vou deixar-me pelo vento levar e com o bailar das folhas apenas me ocupar.

Pra lá, pra cá, sem lugar definido para estacionar, apenas aproveitar o percurso a se criar.


Desafiante parece ser, mas que sentido tem a vida se nenhum risco correr?

Fechar os olhos, se soltar, se entregar e, por um instante, confiar.

Com as tarefas do agora, basta eu me ocupar.

Chega de teimar em no futuro querer estar.


Inspira! Expira! Fica nesse mágico presente que aflora!

Chega de criar uma perfeita história!

Pois é no compasso da hora que se faz da ilusão do fim uma surpreendente trajetória.











Destaques
Arquivos
Siga-me