Buscar
  • Flávia Carvalho

O ENCONTRO


Foi um ano de redescoberta e reconexão,

Em que busquei o amar no mais profundo do meu coração.

E por tanto querer, foi incrível perceber que em tudo ele se fez aparecer.

Foram tantos momentos e sensações, tanto para agradecer.


Neste tempo, resolvi pelas matas e cachoeiras me deixar adotar.

Toda vez que sentia um incômodo aparecer, e o ar começava a faltar,

Era pra elas que corria para de novo me abastecer, para de novo me encontrar.

Quando a elas me entregava, sempre um lindo ritual acontecia e algo em mim renascia.


Me deixava pelas águas cristalinas me banhar,

E com coragem experimentava, cada vez mais, a me lançar.

Escondida entre as árvores, deitada nas pedras, sempre estava à espera do sol!

Com a certeza de que ele nunca iria faltar, fez de mim um girassol.


Depois de meses de integração, uma completa gestação,

Era chegada a hora de expandir, de para fora ir, de deixar sair.

Foi então que a vontade do mar veio de mansinho minha alma arrebatar.

Foi bem baixinho que ele me chamou, no meu ouvido sussurrou, e me fez arrepiar.


Sim, foi no meu íntimo que este encontro comecei a desejar.

Sem muita expectativa colocar, uma forte intenção já estava a me impulsionar.

E foi logo que a oportunidade do encontro apareceu.

O Universo a favor só fez conspirar, e aos poucos, devagar, o movimento fluido nasceu.


Quando com ele me encontrei, não sabia o que iria se descortinar.

O que conhecia era o desejo de amar, me sentia muito à vontade naquele lugar.

O receio de me apresentar a ele como realmente sou, naquela hora nem apareceu.

Me despi, descalço fiquei, me diverti, corri em sua direção e me joguei.

Olhar sincero e despretensioso era o que eu tinha diante daquele vasto mar.

Corpo solto, expressão relaxada, sem filtro, familiarizada parecia estar.

Será que já te conheço de algum lugar? Será que percebeu a atração do meu olhar?

Talvez, não. Provavelmente, sim. É que não é possível esconder, o que já está para acontecer.


Primeira impressão superada, intuição acertada.

Dois dias depois, já estava bem ambientada.

Olhava com admiração as águas daquele mar que cada vez mais me convidava a entrar.

E do primeiro encontro, a fogo lento, veio a vontade de ficar.


Já não tinha mais como negar aquela intensa conexão e a sincronicidade da situação.

Foi com a inocência de uma criança que, de repente, aconteceu a paixão.

Vibração intensa aqui dentro, impossível de controlar.

Mas quem disse que queria o movimento daquelas borboletas acalmar?


Quando os lábios se tocaram, ainda havia muito para dizer.

E no silêncio do toque suave a conversa fez-se no corpo todo renascer.

Sintonia de desejos, sincronia de emoções,

foi no aconchego das águas daquele mar que me entreguei às sensações.


Sei que foi assim que tudo aconteceu...

O encontro do Eu, com o Mar e o Amar!



Posts Relacionados

Ver tudo

MUDANÇAS