• Rubia Arce Administradora do Blog

EXPERIÊNCIAS


Todos os erros que cometi e todas as experiências de vida que tive, criaram a pessoa que sou hoje...

Lynda Waterhouse​

Muitos acreditam que somos o resultado das experiências que acumulamos durante a vida. Mas, a verdade é que somos o resultado das marcas que permitimos que essas experiências deixem em nós. Toda pessoa é formada de muitas histórias. Grandes e breves, felizes ou infelizes, alegres ou nem tanto assim, as histórias que temos para contar são pequenas pecinhas que vão nos montando ao longo do tempo.


Apesar de, às vezes, parecer que nossos dias são iguais: Levantamos, comemos, trabalhamos, voltamos a nos deitar... Não são. Todos os dias, vivenciamos ao menos uma experiência nova. Algo que não aconteceu ontem, nem antes de ontem.


Temos o hábito de não registrar em nossa memória o que nos acontece, a não ser que seja marcante demais para esquecer. Vamos passando pelos dias como se não importassem, como se nada de bom acontecesse. O “novo normal” como têm dito por aí. E, o que se torna “normal” não importa mais.


É um péssimo hábito, sem dúvida. Porque, um dia, acordamos com 90 anos, com a nítida sensação de que foi em vão. De que não vivemos nada que gostaríamos de viver, não realizamos nada, não construímos nada. Inundados de frustrações, e constatações infundadas. Um sentimento compreensível, já que não percebemos a vida, simplesmente a deixamos passar. Sem perceber, nos tornamos espectadores da nossa história, e não muito bons, porque assistimos a nossa vida passar, sem prestar a devida atenção aos detalhes. A não ser, aos mais tristes.


Você sabe por que isso acontece? Porque vivemos preocupados demais com o futuro, tão preocupados, que vivemos lá, e deixamos de viver o presente. Sem saber que o futuro é resultado do que se vive agora. E ele pode nem acontecer. Mas, estamos sempre pensando no que ainda queremos alcançar, no que ainda está por vir, em como será o amanhã, no dia em que seremos felizes, em que as pessoas mudarão e passarão a ser exatamente como gostaríamos que elas fossem... Estamos sempre à espera de algo.


Mas, você pensa que “construir” algo de valor na vida está ligado ao que de material você adquiriu? Ao grau de estudo que você alcançou, ou ao montante de dinheiro que você tem no banco? Claro que o que citei não deixam de ser conquistas suas, você se esforçou para isso. Porém, trata-se do que tem menor valor.


Considerando que, quando você partir, seus "bens" serão passados para alguém, que provavelmente não dará o valor que você dá. Em alguns casos se tornará motivo para desavenças em família. Em outros, eles serão encaminhados para quem nem te conhece, nem faz ideia do quanto você trabalhou para conseguir.


Quando você partir, não precisará mais de uma casa linda, um carro de luxo, ou um diploma. Mas, da oração e respeito daqueles que você conquistou durante o tempo que esteve aqui. Do amor das pessoas que te conheceram, de como elas se lembrarão de você. Cada palavra de apoio que você deu, cada abraço de carinho, cada palavra de força e conforto que você ofereceu, cada demonstração de afeto que você espalhou por onde passou, vai ficar registrado na memória e no coração das pessoas, como talhado em rocha. Trata-se da EXPERIÊNCIA que é estar com você. Você será eterna(o), ainda que não tenha nem um centavo no bolso.


Diante disso, pergunto: Quais tesouros você tem acumulado por aí? O que você tem espalhado pelo mundo que você habita? Quais memórias você tem registrado nas pessoas mais próximas de você? O que tem mais valor para você? E quais memórias você tem registrado das pessoas mais próximas?


Perguntas que todos deveriam responder diariamente. Porque, quando chegarem os 90 anos, saberemos o quanto a nossa vida é valiosa, o quanto soubemos viver, o quanto valorizamos cada momento, o quanto valeu a pena estar aqui. Não porque tenhamos viajado o mundo, ou trabalhado muito, ou estudado até quase enlouquecer. Mas, porque entendemos que, na vida, o que importa de verdade são as pessoas que conquistamos, as alegrias que vivenciamos ao lado delas, e todo o bem que fizemos a cada uma.


E, se você até hoje, não acumulou tantos bens verdadeiros quantos gostaria, ainda há tempo de mudar isso. Há tempo de recomeçar e fazer diferente.


Lembre-se, ao espalhar o bem, você pode estar sendo a resposta das orações de alguém, e nem fazer ideia disso.


Luz e paz!

Até a próxima!


Se você gostou deste texto, clica no coraçãozinho para curtir, deixa seu comentário e compartilha com seus amigos. Estará nos ajudando a cumprir o propósito de inspirar as pessoas.




Destaques
Arquivos
Siga-me