• Isa Mota

O SUBJETIVO DO PROFESSOR - QUEM SE PREOCUPA?


Diante dos novos desafios dos profissionais da educação, suas obrigações, que antes eram limitadas ao passar conhecimento didático pedagógicos, com as novas exigências dos alunos e a procura, cada vez maior, por conhecimento de atividades ligadas a sua profissão, exigiu deste profissional, mudanças em seu ambiente ocupacional, assumindo riscos, exercendo papéis para os quais não estão preparados, tais como: alunos de inclusão, com vários tipos de deficiências, tanto motoras quanto intelectuais ; falta de materialidade e, devido as circunstâncias, se veem obrigados a tomar decisões de extrema importância, escolhendo o caminho mais adequado para um aprendizado de qualidade.


Diante da quantidade de responsabilidades e obrigações exigidas, atividades complexas a serem desenvolvidas, prazos reduzidos de entrega de informações, atualizações contínuas e exigência por parte do sistema, o acelerado avanço das tecnologias, constantes alterações na legislação, cobranças por alta qualidade dos serviços, baixa REMUNERAÇÃO, são situações que tornaram o PROFESSOR extremamente prejudicado pelo estresse.


Nesse momento faz-se necessário, com urgência, identificar as possíveis formas de redução ou controle do estresse dos profissionais da educação. Verificar as causas e situações que elevam o número de diagnósticos desse problema; compreender e equilibrar fatores que diminuem a qualidade de vida e analisar as influências sobre a saúde mental dos professores.


Quantos educadores você conhece que já se licenciou por estresse? Quantos estão tomando Rivotril, Fluoxetina, ou outra droga do gênero? O professor já virou matéria de comediante devido a esse fato. E todos riem, como se fosse algo normal, irreal. Como se fosse apenas uma brincadeira. Infelizmente é a dura realidade desses profissionais que todos os dias se doam nas salas de aula, atuando como médicos, advogados, pais, mães, psicólogos, irmãos... E por muitas vezes, sem nenhum apoio e respeito. Mesmo com tudo isso, ainda consegue levar o conhecimento para os alunos. O Sistema tem se preocupado com a capacitação e em cobrar cada vez mais, melhor desempenho do professor.


Nesse contexto, surgem as perguntas:

Quais as possíveis formas de redução do estresse dos profissionais da educação?


Quem está preocupado com o subjetivo desse profissional que se doa inteiramente todos os dias?


O que acontece na intimidade, na sua casa, com sua família, quanto ao subjetivo desse profissional?


Minimizar o nível desse mal sofrido pelos professores é o assunto de relevância no momento.


Um único problema não pode levar um indivíduo ao stress, e sim uma combinação deles. É essa quantidade de obrigações que leva o educador a desencadear reações que causam o estresse. SANTOS (1995).


A causa desse mal provém de várias fontes. Quando um indivíduo é exposto a demandas excessivas, necessidades e expectativas não completas, pode originar diversas reações, tais como ansiedade, depressão, inquietação e apatia. Levi (2005).


Um profissional com uma boa qualidade de vida certamente produzirá mais e terá um ótimo desempenho, gerando resultados positivos.


142 visualizações
Destaques
Arquivos
Siga-me