• Rubia Arce Administradora do Blog

PALAVRAS


Olá, carxs leitorxs!

É muito bom estar aqui novamente trazendo algo que considero de valor para vocês. Palavras que podem tocar de alguma forma, ou não. Podem ou não fazer diferença em suas vidas, mas que eu tenho um prazer imenso em partilhar com vocês. E é exatamente sobre PALAVRAS que iremos falar hoje.


A primeira necessidade do ser humano é comunicar-se. Fazer-se entender é tão importante para nós, que algumas vezes, disso pode depender a nossa sobrevivência. E a forma que mais utilizamos para nos comunicar são as palavras. Sejam elas escritas, faladas, gesticuladas, lá estão sempre para nos ajudar a entender e sermos entendidos.


Hoje em dia, as palavras têm sido mais escritas do que faladas. E muito mais abreviadas também. Mudamos nossa forma de comunicar. As conversas são escritas, sem tons, sem jeito. Por isso, não poucas vezes, somos mal interpretados. A comunicação evoluiu, mas não necessariamente para melhor. E, consequentemente, com o passar do tempo, estamos nos esquecendo de que existe um jeito de falar, percepção esta, que utilizávamos com mais frequência quando era a fala nossa principal forma de comunicar.


Apesar de dizerem que palavras se vão ao vento, que atitudes são mais concretas, as palavras têm um poder incalculável. E a forma como elas são colocadas, pode levantar uma pessoa do chão ou pode lança-la nele. As palavras têm um poder tão destrutivo que podem acabar com uma vida inteira, principalmente se a pessoa acreditar nelas. Palavras podem causar discórdia, desentendimentos que perdurem anos. Podem mutilar as capacidades em uma pessoa antes mesmo de ela tentar utilizá-las. Podem mudar a vida de alguém para pior, ou melhor. Porque as palavras também podem construir pessoas. Podem restabelecer relacionamentos, mudar posicionamentos e tocar profundamente corações.


Existem pessoas que têm uma força nas palavras que é capaz de levantar multidões. Essa mesma força, se mal utilizada pode “enterrar” multidões. Por isso, e por muito mais, é preciso tomar cuidado com o que se diz e mais ainda com o modo como se diz. Mas, também, é muito importante saber ouvir (ou ler) o que está sendo dito. Em um mundo onde as pessoas buscam agilidade nas relações, ler rápido, sem prestar a devida atenção, ou sem tentar entender com gentileza o que foi dito, pode não gerar um resultado satisfatório. Fala-se muito sobre saber comunicar para ser melhor entendido, mas saber ouvir com gentileza para entender melhor, acredito que tem sido um desafio maior.


As pessoas interpretam como querem e transformam uma simples conversa em um motivo para se sentirem agredidas, reagindo como se fosse. Quando seria muito fácil perguntar o que a pessoa do outro lado quer dizer o que disse. Uma explicação simples pode mudar as impressões sobre a conversa ou até sobre a pessoa.


Tenho visto pessoas constantemente na defensiva, como se esperassem a todo o momento serem agredidas e precisarem se defender. Pessoas que não valorizam um gesto de gentileza porque estão focadas demais na possível descortesia que virá. Pessoas que, ao se depararem com alguém cortês, encaram como falsidade e já se armam contra o outro. Um mundo onde não se aceita mais elogios e afeto gratuitos, e pessoas se sentem sós estando cercadas de pessoas.


Queridos, encarar a vida com leveza não diz respeito somente às nossas coisas, mas ao nosso relacionamento com as pessoas ao nosso redor. Ser um pouco mais paciente e tentar entender o porquê de as pessoas agirem como agem, nos tira um peso enorme que carregamos por tanto tempo, que é o de julgar os outros. Porque, se pensamos que ser julgado pesa mais que julgar, nos enganamos. Julgar pesa muito. É o julgar o outro que constrói muros ao nosso redor e faz-nos criar defesas desnecessárias, além de, muitas vezes, nos impedir de nos conectar ao outro de forma amigável e viver momentos com ele, e aprender com ele coisas que nunca saberemos como serão se não pararmos de construir esses muros.


Uma dica seria, ao receber a mensagem que você interpreta como uma forma não muito agradável de dizer, pense em quem realmente a pessoa que a enviou é para você, no que ela significa, e principalmente, em como você a conhece. Pense também em como o que está sendo dito, afeta esta pessoa. Agindo assim, você pode perceber que existe muito mais do que pensa por trás de uma palavra, ou uma forma de falar.


Fazer alguém sorrir com o que dizemos é um dos maiores prazeres da vida. Mas fazer as pessoas se sentirem entendidas e valorizadas, não tem preço.


Pense: saber falar é importante, mas saber ouvir também é. E se você puder, a partir de hoje, tentar ouvir (ou ler) com um pouco mais de generosidade, verá que será inevitável aprender a melhor forma de falar.


Gratidão por ler!


Até a próxima!




48 visualizações
Destaques
Arquivos
Siga-me